domingo, 10 de agosto de 2014

Os Sonhos em Relação ao Inconsciente e o Autoconhecimento.

Quem olha para fora sonha. 
Quem olha para dentro desperta. 
C. Gustav Jung 

Consciente
Leio tantas frases, textos e livros e pela internet repletos da palavra consciência e, nas mais diversas maneiras onde a palavra está empregada sempre tem um sentido que pode-se ver relacionado a uma qualidade psíquica e que seria relacionado ao espírito, ao pensamento ou a mente. 
Segundo a Wikipédia "A consciência é uma qualidade da mente, considerando abranger qualificações tais como subjetividade, autoconsciência, sapiência, e a capacidade de perceber a relação entre si e um ambiente.[...] Ser consciente não é exatamente a mesma coisa que perceber-se no mundo, mas ser no mundo e do mundo, para isso, a intuição, a dedução e a indução tomam parte."
Entre os psicólogos que se ocuparam do tema, podemos destacar Wilhelm Wundt e o seu estruturalismo, cujo objeto de estudo era a experiência consciente. Para o estruturalismo, o componente primordial da consciência é a sensação.
LYRA, Carlos Eduardo de Sousa. O inconsciente e a consciência: da psicanálise à neurociência. Psicol. USP [online]. 2007, vol.18, n.3, pp. 55-73. ISSN 0103-6564.
Inconsciente
O conceito de inconsciente foi hipotetizado por Freud para explicar as deformações da consciência do homem que não podiam ser atribuídas a uma simples irracionalidade. Qualquer forma de ser consciente é co-implícito e co-intencional; cada forma de ser inconsciente se experimenta em seus efeitos na consciência, isto é, na maneira em que experiências perceptíveis conscientemente registradas se moldam, interrompem, intensificam, lacunizam, contextualizam e assim se seguem. (Ricoeur). O sujeito psíquico, do ponto de vista da perspectiva psicanalítica, não se situa nem na consciência, embora fenomenológicamente seja vivido como tal, e nem existe no inconsciente. Ele se cria e se sustem no momento que se descentra no interjogo dialético da consciência e da inconsciência. O sujeito psicanalítico: refere-se ao indivíduo em sua capacidade de gerar um sentido, uma espécie de eu-idade (I-ness, na terminologia de Thomas Ogden) experienciante (subjetividade), por rudimentar e simbolizado que seja tal sentido de eu-idade.
BARROS, E.M.R. The Unconscious and the Building up of Meanings in Mental Life. Psicologia USP, São Paulo, v.10, n.1, p.97-117, 1999.
Alguns entendem o inconsciente como ações inconscientes baseadas em informações do passado, experienciadas ou noticiadas. O estímulo subliminar é pego pelo inconsciente, é qualquer estímulo não captado a nível de consciência por estar abaixo dos limites sensoriais receptores.
Segundo a Wikipedia: O inconsciente define um complexo psíquico (conjunto de fatos e processos psíquicos) de natureza praticamente insondável, misteriosa, obscura, de onde brotariam as paixões, o medo, a criatividade e a própria vida e morte.

Em "O Homem e os seus Símbolos", Jung comenta sobre a simbologia em relação ao inconsciente:
Aquilo a que chamamos símbolo é um termo, um nome ou mesmo uma imagem que nos pode ser familiar na vida diária, embora possua conotações especiais para além do seu significado evidente e convencional. Implica algo de vago, desconhecido ou oculto para nós. Assim, uma palavra ou uma imagem é simbólica quando implica alguma coisa além do seu significado manifesto e imediato. Esta palavra ou esta imagem tem um aspecto mais amplo, que nunca é definido de uma única forma ou explicado totalmente, nem podemos ter esperanças de a definir ou explicar. Quando a mente explora um símbolo, é conduzida em direção a ideias que estão fora do alcance da nossa razão. Por existirem inúmeras coisas fora do alcance da compreensão humana é que utilizamos freqüentemente termos simbólicos como representação de conceitos que não podemos definir ou compreender integralmente. Esta é uma das razões por que todas as religiões empregam uma linguagem simbólica e se exprimem através de imagens. Mas este uso consciente que fazemos dos símbolos é apenas um aspecto de um facto psicológico de grande importância: o homem também produz símbolos, inconsciente e espontaneamente, em forma de sonhos. Há ainda certos acontecimentos de que não tomamos consciência. Permanecem, por assim dizer, abaixo do limiar da consciência. Aconteceram, mas foram absorvidos subliminarmente, sem o nosso conhecimento consciente. Só podemos percebê-los em algum momento de intuição ou por um processo de intensa reflexão que nos levem à subsequente compreensão de que devem ter acontecido. E, apesar de termos ignorado originalmente a sua importância emocional e vital, mais tarde brotam do inconsciente como uma espécie de segundo pensamento. Este segundo pensamento pode aparecer, por exemplo, sob a forma de um sonho. O aspecto inconsciente de um acontecimento é-nos revelado, geralmente, através de sonhos, onde se manifesta, não como um pensamento racional, mas como uma imagem simbólica. Do ponto de vista histórico, foi o estudo dos sonhos que permitiu, inicialmente, aos psicólogos, a investigação do aspecto inconsciente de ocorrências psíquicas conscientes. Fundamentados nestas observações é que os psicólogos admitem a existência de uma psique inconsciente, apesar de muitos cientistas e filósofos lhe negarem existência. Argumentam ingenuamente que uma tal pressuposição implica a existência de dois “sujeitos” ou, em linguagem comum, de duas personalidades dentro do mesmo indivíduo. E estão inteiramente certos: é exatamente isto o que ela implica. Esta divisão de personalidades é, com efeito, uma das maldições do homem moderno. Não é, de forma alguma, um sintoma patológico: é um facto normal, que pode ser observado em qualquer época e em quaisquer lugares. O neurótico cuja mão direita não sabe o que faz a sua mão esquerda não é caso único. Esta situação é um sintoma de inconsciência geral, que é, inegavelmente, herança comum de toda a humanidade. Aquele que nega a existência do inconsciente está, de facto, a admitir que, hoje em dia, temos um conhecimento total da psique. É uma suposição evidentemente tão falsa quanto a pretensão de que sabemos tudo a respeito do universo físico. A nossa psique faz parte da natureza e o seu enigma é, igualmente, sem limites. Assim, não podemos definir a psique nem a natureza. Podemos, simplesmente, constatar o que acreditamos que elas sejam e descrever, da melhor maneira possível, como funcionam. No entanto, fora das observações acumuladas em pesquisas médicas, temos argumentos lógicos de bastante peso para rejeitarmos afirmações como “não existe inconsciente”, etc. Aqueles que fazem este tipo de declaração estão a expressar um velho misoneísmo – o medo do que é novo e desconhecido. Sigmund Freud foi o pioneiro, o primeiro cientista a tentar explorar empiricamente o segundo plano inconsciente da consciência. Trabalhou baseado na hipótese de que os sonhos não são produto do acaso, mas que estão associados a pensamentos e problemas conscientes. Esta hipótese nada apresentava de arbitrário. [...] Estas mensagens do inconsciente têm uma importância bem maior do que se pensa. Na nossa vida consciente, estamos expostos a todos os tipos de influência. As pessoas estimulam- nos ou deprimem-nos, ocorrências da nossa vida profissional ou social desviam a nossa atenção. Todas estas influências podem levar-nos para caminhos opostos à nossa individualidade; e quer percebamos quer não o seu efeito, a nossa consciência é perturbada e exposta, quase sem defesas, a estes incidentes. Isto ocorre em especial com pessoas de atitude mental extrovertida, que dão muita importância a objetos exteriores, ou com as que abrigam sentimentos de inferioridade e de dúvida, envolvendo o mais íntimo da sua personalidade. Quanto mais a consciência foi influenciada por estes preconceitos, erros, fantasias e anseios infantis, mais se dilata a fenda já existente, até se chegar a uma dissociação neurótica e a uma vida mais ou menos artificial, em tudo distanciada dos instintos normais, da natureza e da verdade. A função geral dos sonhos é tentar restabelecer a nossa balança psicológica, produzindo um material onírico que reconstitui, de maneira sutil, o equilíbrio psíquico total. [...] As pessoas, é claro, tendem a pôr em dúvida esta função, já que os seus símbolos, muitas vezes, passam despercebidos ou são incompreendidos. Na vida normal, a compreensão dos sonhos é até, por vezes, considerada supérflua. De um modo geral, é uma tolice acreditar-se em guias pré-fabricados e sistematizados para a interpretação dos sonhos, como se pudéssemos comprar um livro de consultas para nele encontrarmos a tradução de um determinado símbolo. Nenhum símbolo onírico pode ser separado da pessoa que o sonhou, assim como não existem interpretações definidas e específicas para qualquer sonho. A maneira pela qual o inconsciente completa ou compensa o consciente varia tanto de indivíduo para indivíduo que é impossível saber até que ponto pode, na verdade, haver uma classificação dos sonhos e dos seus símbolos. O sonho recorrente é um fenômeno digno de apreciação. Há casos em que as pessoas sonham o mesmo sonho, desde a infância até à idade adulta. Este tipo de sonho é em geral uma tentativa de compensação para algum defeito particular que existe na atitude do sonhador em relação à vida; ou pode datar de um traumatismo que tenha deixado alguma marca. Pode também ser a antecipação de algum acontecimento importante que está para acontecer.
Sonhos
Os sonhos em nossa realidade atual e sociedade tem uma visão muito relativa e de grande controversia, em diversas tradições culturais e religiosas o sonho aparece revestido de poderes premonitórios. A oniromancia [previsão do futuro pela interpretação dos sonhos] é citada em diversas culturas e por Jung também. Até pensadores e cientistas como Kekulé - que propôs a fórmula hexagonal do benzeno após sonhar com uma cobra que mordia sua própria cauda - mostram a importante influência dos sonhos em nossa vida. Também, Balder, teve um sonho a anunciar a sua morte, e que esta seria uma das causas e um dos sinais da proximidade do dia de Ragnarok, o fim do mundo. A importância dos sonhos é inegável e deve ser avaliada Os sonhos constituem o mundo interno, sempre inacabado, do imaginário simbólico, a válvula de escape do psiquismo humano, onde se encontram as respostas conhecidas e desconhecidas, os verdadeiros desejos e vontades. É a fonte primária de todos os estímulos, a percepção para outras dimensões. Todo banco de informações do indivíduo está lá registrado. No antigo Egito atribuía-se ao sonho um valor premonitório. Lia-se nos seus livros de sabedoria que "Deus criou os sonhos para indicar o caminho aos homens quando esses não podem ver o futuro". Nos templos, os sacerdotes-leitores, os escribas sagrados ou onirólogos, interpretavam os símbolos dos sonhos segundo chaves transmitidas oralmente através dos tempos. Esta arte a que se dava o nome de orinomancia, ou a divinação por meio dos sonhos, era praticada em todos os lugares. Com cautela, assim como qualquer prática e leitura.
Freud (de 1856 a 1939) propôs que o sonho reflete conteúdos individuais da pessoa que sonha, geralmente tratando-se da satisfação de desejos ou expressões de pulsões reprimidas. Além disso, ele afirma que os sonhos são construídos a partir da experiência da vida do cotidiano. Sempre contêm referências ao dia passado e todas as falas significativas são provenientes de falas que a pessoa que sonha ouviu ou leu durante o dia (Freud, 1900/1996). Diferentemente, seu contemporâneo mais jovem, Jung (de 1875 a 1961), distinguiu entre sonhos insignificantes que trabalham problemas do cotidiano e sonhos significativos que são um caminho de transmissão da sabedoria milenar da humanidade. Esses últimos trazem símbolos que, independentes das narrativas tecidas ao redor deles pela pessoa que sonha, têm uma vida própria por serem produtos espontâneos do inconsciente coletivo. Enquanto o inconsciente pessoal é o resultado da vivência do indivíduo, os conteúdos do inconsciente coletivo não foram adquiridos durante a vida individual (Jung, 1943/1975). Para Jung (1943/1974) um sonho significante pode ser reconhecido pela presença de arquétipos. Essa presença indica que o mesmo pretende comunicar algo fundamental, algo que transcende as limitações do indivíduo. O autor descreve sonhos de repetição que tentam tornar consciente uma condição psíquica particularmente problemática e geralmente também trazem uma proposta de solução. Em sonhos compensatórios aspectos de arquétipos que não são bem desenvolvidos na vida do cotidiano da pessoa que sonha são expressos. Quando a pessoa vivencia suas experiências cotidianas de forma excessivamente unilateral, seu sonho pode até criar, para compensar os déficits, um mundo completamente oposto. Além disso, há sonhos que predizem o futuro ou contêm uma advertência para um perigo futuro. Às vezes esses sonhos pretendem sinalizar para a pessoa que ela precisa mudar seu estilo de vida ou fazer uma determinada escolha para evitar uma catástrofe futura. Para interpretar os sonhos, não se depende, como é o caso no método freudiano, das associações altamente pessoais do paciente, mas procuram-se referências nos mitos antigos, na arte e em outras fontes que podem elucidar os arquétipos.
VANDENBERGUE, Luc and PITANGA, Artur Vandré. A análise de sonhos nas terapias cognitivas e comportamentais. Estud. psicol. (Campinas) [online]. 2007, vol.24, n.2, pp. 239-246. ISSN 0103-166X. 
Freud nos deixou um legado propondo que todo sonho possui um sentido. Nesse sentido, pelo método freudiano tem que se buscar lá atrás a causa do sonho. Esse método retrospectivo faz com que se busquem as redes de informações, que se ligam, em uma linha de tempo. Já o método Junguiano é prospectivo. Isto é, para Jung, os sonhos não eram só uma sequência de causas, mas também um processo orientado para um fim. Quanto à interpretação, é como desvendar um símbolo ou uma charada, não só para dar respostas a curiosidades do espírito - self. Essas revelações indicam caminhos para melhorar o autoconhecimento, aperfeiçoando a comunicação interna entre o consciente e o inconsciente (o equilíbrio mental, pode-se especular um equilíbrio/unificação maior entre as polaridades do lado direito e esquerdo do cérebro? Quem sabe.) Essa é uma das formas de integração da personalidade. Isso significa ser uma pessoa com maior auto conhecimento sobre si mesma, podendo alcançar um ponto de equilíbrio na análise da própria personalidade, no ego e no alterego. Uma vida psíquica onde o trabalho mental venha a ser mais criativo. Como Jung encarava os sonhos e um forte ponto da terapia dos sonhos é uma abordagem que se chama princípio da individualização, que se caracteriza em estabelecer as relações que existem entre os símbolos, as imagens, as cores, números, diálogos que se produzem e a vida do indivíduo, da pessoa que sonha. Assim, tenta-se estabelecer as características ou qualidades daquela pessoa. os pontos que a diferenciam de outras pessoas. Era o que para Carl Gustav Jung vinha a ser entender o indivíduo, o que o diferenciava de outros indivíduos. Sendo que para ele os sonhos representavam um acelerador nesse processo de individualização que rege o conhecimento e a integração dos estados de satisfação e insatisfação, onde se encontra a capacidade energética da pessoa. O sonho está profundamente alojado na intimidade da consciência e a nossa expressão mais secreta e mais impura de nós mesmos. Pelo menos duas horas por noite vivemos nesse mundo onírico dos símbolos.
Concluo com uma ideia de que a reflexão sobre os sonhos deve ser buscada se o autoconhecimento é  desejado, afinal ele nos revela aspectos insconscientes importantes de nós mesmos, estes que permanecem tão misteriosos para nós e assim permanecerão até encontrarmos uma forma melhor de adentrarmos ao nosso inconsciente.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Convivência com a Superficialidade.


É pesaroso ver o que as pessoas são capazes de se submeter para tentar retirar qualquer direito/facilidade 
prática que possa ser imposta para o todo. 
As pessoas simplesmente não conseguem pensar no bem coletivo ou até onde possam ir as oportunidades de cada um. Se uma pessoa receber uma proposta diferente para melhoras do coletivo, o indivíduo que já tem a oportunidade de ter um benefício vai parar e revisar de forma egoísta e sem nexo o que pode melhorar ainda mais o que já tem. Pensando em si mesmo, apenas. Com isso, começa um ciclo de discórdia e também de discussão, que, logicamente não tem como ir a lugar nenhum, pois nenhum será beneficiado "justamente". 
No fim das contas chega-se a um ponto de prolixidade onde se estende o assunto em coisas completamente fora do assunto central e, para que a discussão completamente sem sentido cesse, chega-se a um ponto onde o benefício coletivo já não é mais importante. O importante é “quanto você conseguiu prejudicar o outro”. Então, chega-se a uma conclusão que dizem ser “JUSTO”. 
Mas, não vejo justiça nisso. Pois a realidade para cada um é diferente. Mas não, tem que ser assim por que ninguém consegue pensar e chegar a um bom senso, nem está no roteiro deixar os outros pensarem para chegarem a uma conclusão, as pessoas que acham que estão mandando tem que decidir e ponto. 
Outra coisa ordinária e mesquinha é quando pessoas, sem conhecer você além de lhe ver superficialmente e mal trocar palavras como “bom dia”, acha que pode vir do nada e simplesmente se meter e opinar na sua vida como se você estivesse aberto a qualquer tipo crítica. Aparece das sombras apenas para dizer que você não se veste bem, não sabe usar maquiagem ou não deveria usar, deveria ter o cabelo de tal forma e se importam até com as unhas alheias. As pessoas não se focam mais na própria vida, elas precisam saber como você vai na prova para se sentirem bem ou mal, precisam que você seja de uma maneira que agrade a eles para que se sintam confortáveis na sua presença. 
Serio? Não se deem o trabalho de enviar suas críticas para que segundos venham a falar. Pois, não há aproveito para pessoas que sabem bem o que são em nada de opiniões tão medíocres, também se um assunto é cortado, é por justamente não querer a continuidade do “monólogo”. 

Aqui vai uma frase que achei que se encaixa muito com certas situações, além de ser um prato cheio para que as pessoas repensem o que/como estão fazendo e afetando a vida de quem convive, não apenas de si mesmas:
“ Uma pessoa que vive a pensar nos outros não consegue ver o que tem de errado em si mesmo assim como não sabe que a partir do momento que ela muda ela melhora a vida do outro pois o outro também é afetado pela vida dela. As pessoas não precisam ser mudadas por nós, nós devemos mudar a nós mesmos e quando mudamos a nós mesmos cumprimos a nossa tarefa com o mundo. “


quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Absolutely nothing we trust !

      É incrível como é fácil para o êxtase da felicidade te deixar completamente apto para abobalhar-se e descuidar-se.
   Como se nada nunca estivesse prestes a acontecer, você vive num linear de desejo por emoções e poder,  adormecendo a racionalidade, então você é praticamente invencível e o que acontece no fim é o mesmo: você acorda. Para mim é muito pessoal, quando me alegro demais com alguma ideia inicialmente interessante e/ou aparentemente grande ou fortes sentimentos é só "levando um tapa da vida" para acordar e ver quão precipitada eu fui em nutrir tal devaneio. Incrível que parece não existir amadurecimento para a felicidade, nem controle. É a brisa gélida que faz os seus dentes rangerem, prestes a se jogar de um abismo na beira do vazio, ela sempre consegue domar-te, ela é selvagem. Quando o tapa na cara da realidade vem é engraçado como você se sente indefeso, frustrado de não ter visto antes que ideias estúpidas e sonhos fantasiosos não acontecem sempre que se busca. Não, sem luta você não chega em nenhum lugar. A única coisa que se pode fazer é lutar, sozinho, contra tudo. Pois o mundo está contra você nesses tempos, as pessoas são egoístas, nunca se sabe em quem confiar e você não tem tempo para se indignar o tempo todo e fazer uma revolução de palavras, pois hoje ninguém ouve, ninguém vê. Ninguém faz nem por eles mesmos, farão por ti? É preferível adormecer na ilusão do conforto e comodismo. A Vontade é a coisa mais preciosa que se têm, e quando se perde, não resta mais nada, apenas o gosto amargo da depressão. Me pergunto de vez em quando, se algo muda para as pessoas que se tornam completamente amargas e frias. Pois, as coisas só parecem dar certo quando eu viro uma pessoa mais metódica, assim torno-me calculista e detalhista, resultado em frivolidade. Menos sucinta a peças e enganos.
   Mas, será que esse ciclo sem fim algum dia irá parar se conseguir tornar o coração de gelo e dominar a vontade de fogo?

  

domingo, 31 de julho de 2011

Ordem de todas as coisas.

        Em determinado momento, a energia forma a existência. A diferença é a ordem das coisas; na tendência para o equilíbrio, sendo contínuo como na matéria, as transformações são entre a passagem de energia para a matéria. 

   Átomos se ligam a outros, formando moléculas, as quais estão a toda parte da matéria. Formam o mundo, o universo que conhecemos. Cada vez mais os países fazem alianças para conseguir partículas cada vez menores. Até hoje, controlamos apenas parcialmente a matéria, sendo capaz de modificar/criar formas de vida e objetos, até modificar a matéria para se tornar nociva. Mas, tudo está realmente em equilíbrio?Considerando que uma coisa está interligada a outra, ou seja, tudo está interligado e ao mesmo tempo em um grande aparente desequilíbrio. 
   Tudo está uma grande bagunça, o balanço da natureza. Nós estamos crescendo e regredindo simultaneamente em muitas formas diferentes. Enquanto alguns estão projetando bombas, teorias, estudando e alimentando a fome voraz que o ser humano possui de conhecimento, alguns outros estão alimento o egocentrismo e o conformismo. Transformando-se em escravos de um poder que não será dividido... Alguns estão poluindo, matando, ameaçando, se drogando, fazendo músicas que não dizem nada, programas exibindo a estupidez e a mediocridade humana como uma praga. Mas, a ideia do nada é perturbadora a esses que não se apegam a nada além das suas repugnantes idéias para aparecer em um meio. Um diferencial é tão desejado pelo ser humano, que se você não possui capacidades para subir por si ou preguiça, você precisa fazer coisas absurdas para isso, como cometer crimes bobos. Um lugar que ocorre muito, é o Brasil. Não sei o que é pior, os vexames com os partidos (como o PT), a evidente alienação moral e a terrível falta de conteúdo nas pessoas. De onde viria a falta de conteúdo? Na falta de incentivo a estudos, falta de incentivos morais e éticos decentes, hierarquia e compromisso da família, pais querendo ser mais amigos dos filhos do que pais, então, cada vez mais cedo meninas e meninos não assistem aulas para se drogar, irem fazer sexo, ou qualquer outra coisa que não seja pensar ou buscar.


   Isso sempre acaba se disseminando, músicas, histórias, notícias, apenas coisas que não são necessárias. Você tentando achar confiança e entendimento, por meio de conversas com pessoas comuns, é como gritar e não encontrar um eco, não se encontra compreensão, apenas falso entendimento. Isso é um grande problema, pois somos seres sociais, precisamos dividir informações, quando não há compreensão, é como se não houvesse existência e aproveitamento do conhecimento. Existem assuntos que se precisa de uma mente sábia, e não mentes alienadas pelo caos da fraca mentalidade graças à alienação e preguiça de pensar, assim como tem pessoas que "fecham seus olhos" mesmo sabendo a verdade pois é 'dura de aceitar'. Hoje em dia, se você é uma pessoa que gosta de descobrir e conhecer, assim como compartilhar, é rotulado de chato ou "nerd", expressão que poucos conhecem em sua faceta verdadeira. Quando tenta expressar uma ideia, um pensamento uma crítica onde as pessoas não são capazes de entender, as pessoas fazem humor com o assunto pois não tem argumentos, quem acaba indignado é o crítico. Em vês das  mídias e as artes influenciarem mais o desenvolvimento da criatividade e do interesse pela beleza das coisas, colocando programas interessantes como "Cosmos, de Carl Sagan", apenas acabam saindo coisas que poluem mais e mais as mentes, como programas retratando os barracos do dia-a-dia e influenciando a população a vigiar, policiar e bisbilhotar a vida do outro. Que incentivo as pessoas tem? Por isso, as pessoas não param, nem se quer um momento de suas vidas para apreciar uma paisagem, as estrelas, e ver o seu lugar no mundo, no universo. Os únicos padrões mal formados podem estar em nós, por falta do que realmente é necessário. 

   Refletir... O que é se sentir vivo? É apenas suspirar e pensar as banalidades de sua vida frustrada? 
   Você tem todos os momentos para calcular seus passos, mas poucos para se sentir realmente a vida e a sua alma, sentir seu verdadeiro lugar, e realmente ver com o que você está interconectado. O homem não está conectado com apenas outras pessoas, está interconectado com um mundo, com o universo, com sua energia. Quando você se cansa de uma peculiar fascinação pelo mistério da religião/política e resolve ver a verdade, o que existe, decide pensar verdadeiramente em si, consegue se sentir mais vivo. Você não precisa se apegar e nem se preocupar com nada além de sua conexão e seu bem-estar. O bem-estar pode ser relativo para cada um, mas, para pessoas que gostam de uma boa solidão momentânea para ficar a sós consigo mesmo o momento perfeito para pensar, aproveitar uma boa brisa, fitar o horizonte, meditar, analisar os pensamentos, conectar-se com o seu mundo/eu interior. 
   Afinal, cada um tem um conceito diferente para o universo e para si mesmo. Até mesmo para a sociedade. 
... "Todo homem e toda mulher é uma estrela", e cada estrela, move-se numa órbita determinada, sem interferência. Existe lugar para todos; é apenas a desordem que causa confusão. - Liber Al Vel Legis 

domingo, 19 de dezembro de 2010

Valor do amor.

Amor, o sentimento mais complexo e inexplicável, único que não deveria ter-se tornado tão volúvel transformou-se em algo efêmero. Amor não é como nas novelinhas, ou cinema, que o retratam como algo simples bobinho e levado, até, perto do que realmente é.
O amor é uma das coisas mais intensas, capaz de fazer uma pessoa, seja qual for aceitar outra da forma que for, com seus defeitos e suas qualidades. 
Antigamente amor era levado a sério de verdade, não era-se compelido que um dissesse ao outro qualquer coisa. Um "Eu amo você" era de de tal impacto que nem mesmo os casados, depois de anos falavam, era de extrema deferência.
Mas, fora tão banalizado que até as amiguinhas do colégio que se conheceram a uma semana, fizeram alguma coisa abobalhada juntas já dizem "Eu amo você miga", sem que nem amigas podem se dizer, talvez colegas. Acho muito engraçado, aquelas pessoas que namoram fulano um dia, em seu subnick já está " Eu te amo, Ciclana, você é minha vida, é eterno", já no outro diz está " Festarrr (8) Beber (b) solteiro sempre ". Sem brincadeira, isto é algo que me revolta ao extremo. 
O Eu te amo virou quase um 'Bom Dia' para aqueles que capaz de nem amar ninguém. Com esta sociedade atual e insegura, com as 'ficadas' o adultério tornou-se deveras comum também, apenas o que realmente teme perder a pessoa, que a ama não tem a "necessidade" de fazer tal coisa. Gostar, estar a fim, ou apaixonado, amor platônico, sexo casual apenas não é amar, no caso de sexo casual e estar a fim, amar platonicamente é carência. Não se tem o direito de dizer tais palavras tão fortes. Alguns casos sim, outros é tão fraco que chega a desanimar apenas de ver tal ato. 

O que deveria ser forte, impactante, denodo, afamado, espantoso e honroso já não passam por frívolas palavras comuns, levadas como um objeto. A palavra amor não deveria ser usada por pessoas superficiais que mal o conhecem. 
Mas, algo que me frustra é, e quem ama de verdade? Como fica? Será que o outro realmente sentira intensidade nestas palavras tão banalizadas? Com este produto que o amor se tornou, seria possível amar realmente? 
A medida que o tempo passa, eu desacredito mais na humanidade, não no sentimento.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Juventude.

Algumas vezes eu desejo estar a uns trinta anos atrás, quando resolvo olhar ao meu redor e ver o que acontece com o mundo atual. Não estou falando de política, de fome, greves, guerra, estou olhando para os meus 'semelhantes'. Sim, os jovens de hoje. Um tipo engraçado são os "pseudo-punks". Tudo bem usar camisetas do Sex Pistols ou Ramones, os punks da época, ou curtir o estilo. Mas acho engraçado os tais "punks" revoltados com a sociedade, escolas, pais. Tudo bem que, moramos em um país com muitos problemas, mas, o punk é nacionalista e eles usam as roupinhas da Inglaterra, picham coisas como ' V1D4 L0K4, anarkia' e sem uma ideia produtiva para se intitular punk. Voltando ao assunto, além de tais jovens revoltados, existem as garotas novas, que adoram usar e abusar roupas indecentes ainda jovens, provocar, sair, beber e fazer coisas que, na sua idade antigamente, as meninas brincavam de boneca ou iriam estudar para ter uma vida digna. O que mais acho engraçado, é que, estas mesmas meninas, depois que contraem doenças, têm filhos aos 13 anos ou ficam com má fama querem se achar no direito de reclamar que não acham o homem certo, ninguém que as dê o "tão merecido valor". As mulheres mais velhas, criadas em outra época procuram uma intelectualidade, alguém digno ou não apenas casual, e as garotas novas, no início de sua puberdade ou antes disso, influenciadas por mídia - algumas cantoras como Britney que usa roupas curtas e fica rebolando achando que está arrasando, amigas, entre outras coisas querem 'aproveitar' esta liberdade que agora é praticamente dada pelos pais.Liberdade também é levada ao pé da letra, pois liberdade é fazer o que convém, é ter a responsabilidade para assumir seus atos e erros, e não fazer qualquer coisa que vier à cabeça. Mas, o problema que acho nisso é a falta de conversa dos pais, de alerta e também uma falta de autoridade, exemplo da falta de hierarquia. Os pais estão tentando ser amigos dos filhos com medo da revolta na adolescência, que algumas vezes é normal - se não for exagerado, pois é uma época de descobertas, mas, os jovens de hoje acham que 'a melhor fase da vida' se resume em sair, beber e fazer coisas bobas para impressionar seus semelhantes e não compreendem que esta época é boa para absorver mais conhecimento também. Isto gera esta juventude atual que não condiz com a idade. Eu acabo me decepcionando com tal coisa. Um Brasil repleto de jovens intelectuais, críticos ainda estão em seus sonhos.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Extremos Opostos


"Extremos Opostos" em português, que seria o endereço do blog é uma menção a uma música do Pink Floyd que vagava em minha cabeça, assim como sua letra. É incrível a maneira que as músicas do Pink Floyd envolvem você, quando menos espera está divagando sobre os mais diversos assuntos, está relaxado, e o mais incrível é que sempre parece que é a primeira vez que escuto. Esta música recebeu um destaque especial por mim pois, fala sobre dois pólos, divisão, como as pessoas costumam se abandonar e cumprir seu papel, logo seguindo seus caminhos, ficando em sua mente por boa parte de sua vida. Também as 'voltas' que a vida dá, é até engraçado, uma hora tudo está bem e na outra muitos problemas, o problema nunca vêm sozinho, e a solução tarda a aparecer na maioria dos casos, então você vê a importância de repensar nos planos de sua vida. 

Mas, se tratando do blog, aqui vou guardar meus contos, minhas filosofias, devaneios, minhas breves loucuras e minhas críticas. Não vão existir assuntos específicos ou fixos.



Liderando os cegos enquanto eu observava a frieza em seus olhos
A chuva caiu lentamente, sobre todos os telhados da incerteza... 
Eu pensei em você e todos os anos e toda a tristeza me abandonaram e você sabia...
Eu nunca pensei que você perderia aquele brilho no olhar.
 - Pink Floyd.